Ocorreu um erro neste gadget

terça-feira, 21 de abril de 2009

BLACKOUT

BLACKOUT (Rogério Vícios F...)

Estava alí...
Estava alí um corpo estendido.
Estava alí...
Um corpo mal entendido.
Que era?
Não se sabe.
Não se conhece todos que morrem na cidade.
Multidões paravam,
Muitos choravam...
Um especialista chegou...
Analizou.
Blackout.

ALIENADOS

ALIENADOS (Rogério Vícios F...)

Pobres desinformados cultivam
Um culto errado
De um Deus de Ouro.
Idolatrado pelos tolos
E por todos desse lodos
Alienados, alienados.

Os reais matam plebeus,
Alemães matam judeus
E o preconcito em corações
Afogados em ilusões
Alienados, Alienados

Quero voar, talvez me drogar.
Quero sumir no ar
Alienados, Alienados.


Publicado no livro Marginal Recife - coletânea poética 4.

segunda-feira, 20 de abril de 2009

PARA OS DO BEM (CANALHA)

PARA OS DO BEM (CANALHA) (Rogério Vícios F...)

Se você é do bem,
Vá tocar o sininho de Belém.
Que faz bléim, bléim, bléim.
Depois fique dizendo amém,
Botando no cú do seu irmão também.
Com uma cara sorridente,
Que oculta as presas que são seus dentes.
Dê esmola aos pobres.
Pratique atos nobres.
Qualquer coisa que o valha,
Pra compensar o seu lado canalha!

UMA VERSÃO BRASILEIRA

UMA VERSÃO BRASILEIRA (Rogério Vícios F...)

Maestros obesos.
Anciões com Hanseníase.
Regem orquestras de músicos multilados,
Surdos e sem instrumentos.
Tocam música inaudita.
Recebendo salários inexistentes
E não palpáveis.
Demônios no céu e anjos no inferno.
Uma versão brasileira.

BEM-VINDOS AO MEU BLOG

Galera, espero que possamos trocar idéias sobre músicas e poesias. Aqui você vai encontrar um pouco do meu trabalho seja ele com intervenções poéticas ou performances com bandas.